Destaques Direção Grêmio Lucas Von Opinião

UM CORTE CIRÚRGICO PRA 2020

Opinião de Lucas Von sobre mudanças pro ano que vem no Grêmio
Compartilhe

O Grêmio tem uma meia dúzia de atletas que devem deixar o time (ou, pelo menos, o posto de titulares) simplesmente porque, tecnicamente, são insuficientes para um clube da nossa grandeza. Não preciso citar nomes. Todos sabem quem são. Vai do goleiro titular ao outrora centroavante titular. PELO MENOS meia dúzia.

Até então só falei o óbvio. Uma limpa técnica, seguida de contratações que visem melhorar esse nível, é o beabá do futebol. Mas cito aqui dois nomes que, na minha opinião, deveriam deixar o Grêmio por outros motivos. Não que tecnicamente estejam entregando algo que presta, longe disso, mas creio que o problema principal deles seja outro, ainda pior. Me refiro a Duda Kroeff e Diego Tardelli.

Não acho que o Duda seja o grande problema do Grêmio. Tampouco que o Tardelli seja um jogador ruim. Mas a personalidade deles é nociva: são catalizadores de bunda-molice. Em times que estão voando, geralmente não atrapalham (sobretudo Tardelli, que até ajuda). Mas quando algo sai do trilho e o clube precisa daquele algo mais, se tornam frágeis pontos fracos.

O Duda é uma usina de declarações infelizes e irritantes. Ontem, ao ser perguntado se deixará o cargo, respondeu quase dormindo: “pode ser, vou conversar com o Presidente após o jogo contra o Goiás”. Nossa… Que motivação. Olha a forma como ele trata um cargo tão honrado e importante! Isso explica muito de como o exerce também. A resposta dele se encaixaria perfeitamente se tivessem perguntado se ia jantar massa ou churrasco no domingo. Vai comer massa, Duda? “Ah, não sei… Vou ver domingo depois do jogo… Vou ver o que o Presidente acha…” E essa está longe de ser das suas piores entrevistas.

Já o Tardelli tá sempre desmotivadinho. Não se envolve animicamente com os jogos, não dá resposta técnica… E é Muito caro pra ser essa instabilidade emocional ambulante. Não me parece que tenha depressão, isso é coisa séria: não é qualquer tristezinha que se pode chamar de depressão. Caso seja, que tratem como de fato é: uma doença. Coisa muito séria! Mas não me parece. Parece simplesmente ser um cara que tem essa personalidade. Um repórter da Gaúcha ontem confidenciou que, nos bastidores do clube, se diz que ele muda de ideia toda hora. Se motiva, se desmotiva, quer ficar no clube, não quer mais… Não precisamos desse tipo de “comprometimento” aqui. Ainda mais ganhando o que ganha. Bora achar um clube pra negociá-lo.

Essa postura, de ambos, gera um clima péssimo. Instaura, aos poucos, a bunda-molice. Mas eles não têm culpa, é bom frisar. Nada contra as pessoas. É questão de personalidade mesmo. Cabe ao clube evitar um Vice de Futebol que diz as coisas que diz e que encara o cargo como um mero hobby, bem como se livrar de um atleta que está em Porto Alegre a passeio achando difícil ganhar 1mi/mês. Acho que a reformulação começa por aí, tirando de cena os “chama apagada”. Começando por esse corte cirúrgico. E colocando gente com energia e brilho nos olhos em seus lugares. Depois, aí sim, que comecem a faxina nos atletas insuficientes.

Saudações azuis, pretas e brancas,
Lucas von.

Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Compartilhe

Você vai gostar disso