Comissão Técnica Destaques Direção Grêmio

Renato atinge façanha no Grêmio e conta com a bênção de Romildo Bolzan por “cargo vitalício”

Compartilhe

Renato atingiu mais uma das tantas marcas que tem pelo Tricolor Gaúcho – ele passou Carlos Froner e se tornou o quarto treinador com mais jogos à frente do clube, com 323. A informação procede de reportagem do ​ite GloboEsporte.com. O recordista em 116 anos de história é Oswaldo Rolla, o Foguinho, que marcou época com 378 partidas como comandante do Imortal na década de 1950. Logo atrás, Luiz Felipe Scolari, que, com 371, destacou-se na década de 1990 com o bicampeonato da Libertadores, entre outros troféus.

Telêmaco Frazão de Lima, que chegou ao cargo de presidente do clube, somou 334 partidas como técnico na década de 1930. Em 319 partidas até hoje à frente do time gaúcho, Renato tem um aproveitamento de 60%, com 163 vitórias, 87 empates e 69 derrotas durante suas três passagens. Na atual, que já passa de três temporadas, levou o Grêmio ao tricampeonato da Libertadores (2017), além do penta da Copa do Brasil (2016), da Recopa Sul-Americana (2018) e do bicampeonato gaúcho (2018 e 2019).

Oficialmente Renato tem vínculo em Porto Alegre até dezembro, mas já deixou claro, em entrevistas recentes, que quer ficar por muitos anos ainda à frente do Grêmio:

“Eu gostaria de ficar 50 anos no Grêmio (…) Sempre tive o apoio da diretoria, do nosso torcedor. Estou ajudando a conquistar títulos. Esse é meu trabalho. Me sinto privilegiado”, afirmou Portaluppi, que tem relação bem próxima do presidente Romildo Bolzan Jr.

No que depender do mandatário, o atual treinador pode esperar que, em 2020, vai se tornar o maior treinador da história do clube, seja em conquistas expressivas e em número de partidas. A conta é simples. Em 2019, Renato tem, no mínimo, mais 16 jogos para comandar o time. Se passar do Flamengo e for campeão da Libertadores, será mais um jogo na lista (a final em jogo único em Santiago) e mais dois do Mundial de Clubes, em dezembro. Logo, os 16 viram 19 na melhor das hipóteses.

A diferença para o histórico Foguinho, então, diminuiria bastante. Como o Grêmio tem o Campeonato Gaúcho, a Copa do Brasil, o Campeonato Brasileiro – com mais 38 partidas – e provavelmente a Libertadores pela frente em 2020, Renato, indiscutivelmente, chegaria a tal patamar nas páginas gloriosas do Grêmio. Depois de jogador, agora como treinador.

Lucas Uebel | Grêmio FBPA

Compartilhe

Você vai gostar disso